terça-feira, 31 de maio de 2011

Transfor anuncia segunda etapa de obras em Fortaleza

31/05/2011 - Diário do Nordeste/Transfor

Postado por Fortalbus

Túnel na Rua Eduardo Perdigão com Osório de Paiva e implantação de túnel no Anel Viário estão entre as intervenções


As obras da primeira etapa do Programa de Transporte Urbano de Fortaleza (Transfor) ainda não foram concluídas, no entanto, a Prefeitura já anuncia outro pacote de intervenções, dessa vez, o Transfor 2. A segunda etapa será licitada no fim desse primeiro semestre e prevê investimento no valor de R$ 370 milhões.

Entre as novidades, um túnel no cruzamento das avenidas Eduardo Perdigão com a Osório de Paiva, na Parangaba, considerado um dos pontos mais complicados da cidade no que se refere ao trânsito.

Outra intervenção considerada fundamental para melhorar a fluidez do trânsito nos bairros Parque Araxá e Rodolfo Teófilo, será a implantação do primeiro Anel Viário, entre a Avenida Bezerra de Menezes e Rua Padre Cícero, próximo ao trilho da Avenida José Bastos.

Reprodução: Diário do Nordeste

Ampliação

Terminal Parangaba

O Transfor 2 também irá ampliar os terminais de ônibus do Siqueira e da Parangaba e a implantação dos corredores Siqueira/Centro e do Conjunto Ceará/Centro.

Além disso, serão restauradas as avenidas Alberto Sá, Renato Braga e Hermínia Benavides, no Papicu; Desembargador Moreira, na Aldeota; Francisco Sá, no Monte Castelo; Mozart Pinheiro Lucena, Quintino Cunha; Ministro Albuquerque Lima, no Conjunto Ceará. As obras terão a duração de três anos e sua conclusão ficará para a próxima administração.

De acordo com o coordenador do Programa, Daniel Lustosa, as obras irão diminuir o tempo das viagens, os custos do transporte, o tempo de embarque e desembarque dos passageiros, aumentando a segurança no trânsito de veículos e pedestres. Dessa forma, o programa dá continuidade à política de mobilidade urbana e de valorização do transporte coletivo.


Segundo ele, os locais foram selecionados por ter uma grande demanda, para interligar as que já existem e dar acesso aos terminais, onde serão construídos bicicletários para guardar as bicicletas e permitir a integração com os ônibus.

A chefe do Departamento de Engenharia de Transportes da UFC, professora Nadja Dutra, entende que as intervenções são imprescindíveis, no entanto defende mais investimentos em veículos não motorizados como uma das alternativas mais viáveis e de curto prazo no sentido de melhorar a mobilidade urbana em Fortaleza.

Na sua avaliação, os congestionamentos e a crescente demanda de tráfego nas grandes cidades e regiões metropolitanas passaram de uma questão de segundo plano para converter-se em um dos principais problemas para os habitantes.

Governo da Bahia recebe propostas para mobilidade urbana

31/05/2011 - Portal 2014, Karlo Dias

Sete empresas participam do processo, nenhuma aposta no VLT


Envelopes foram abertos publicamente no início da noite de ontem (crédito: Karlo Dias/Portal 2014)

Sete empresas ou grupo de empresas participantes da PMI (Proposta de Manifestação de Interesse), de mobilidade urbana para a Copa de 2014 em Salvador, entregaram os projetos finais das sugestões apresentadas no início de maio. A abertura dos envelopes aconteceu no início da noite de ontem (31), na sede da Secretaria do Planejamento (Seplan).

A PMI definirá o modal a ser implantado no Acesso Norte, interligando os municípios de Salvador e Lauro de Freitas. As propostas consistem de estudos de viabilidade técnica, ambiental e financeira. Serão analisados o modal, a modelagem financeira, a proposta tarifária, o sistema de integração e o modelo de gestão.

Os projetos serão avaliados por um Grupo de Trabalho formado por técnicos do governo e pela equipe da Coppe, consultoria ligada à Universidade Federal do Rio de Janeiro, contratada para tal. O parecer final será entregue em 15 dias. A expectativa do governo é que haja uma definição até 20 de junho.

Segundo informações do Ministério das Cidades, o governo baiano deveria apresentar o Plano de Mobilidade para Região Metropolitana de Salvador até a próxima sexta-feira (3). O atraso pode prejudicar o prazo final da entrega das obras, previstas para acontecer antes do Mundial de 2014.

Dos sete projetos, todos sugerem a construção dos Bus Rapid Transit (BRT) ou de metrôs de superfície, apenas um refere-se a monotrilho e nenhum apresenta proposta de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). 

Todos os projetos possibilitam a integração física com o metrô (ainda não finalizado) e o restante do sistema de transporte da cidade. Os projetos contemplam ainda utilização de bilhetagem eletrônica.

Segundo José Eduardo Copello, chefe de gabinete da Sedur e membro do GT, ainda não se tem claro o modelo de gestão ou mesmo o sistema que será adotado. “Podemos escolher apenas uma proposta completa, ou fazer um misto entre as diversas propostas apresentadas”, disse.

O representante do governo prevê que as obras devem começar entre o final de 2011 e início de 2012. A expectativa dele é que a licitação, que provavelmente terá o formato de Parceria Público-Privada (PPP), aconteça nos próximos dois meses.

A maior parte dos projetos está orçada entre R$ 2 bilhões e R$ 3 bilhões. A empresa que ganhar a licitação terá recursos da ordem de R$ 570 milhões do PAC da Mobilidade Urbana para a execução da obra. O restante poderá ser financiado com recursos do PAC da Copa, ou mesmo da iniciativa privada. 

Conheça cada uma das propostas:

Consórcio Setps e Odebrecht Transport – 78 km de corredores exclusivos para o BRT, 173 estações e terminais, 58 viadutos, 14 pontilhões e 13 tuneis, além de ciclovias e calçadas. Interligará o aeroporto de Salvador ao metrô e ao sistema ferroviário suburbano.

Consórcio Camargo Correia e Andrade Gutierres – 23 km de metrô de superfície ligando o município de Lauro de Freitas à estação acesso norte do metrô, passando pelo Aeroporto de Salvador, canteiro central da Paralela e Iguatemi.

Prado Valadares – sistema modal tipo BRT, podendo evoluir até 2030 para metrô. Conta com 41 km de vias aéreas, composta por pista exclusiva de ônibus, passarela e ciclovias.

Queiroz Galvão – sistema de monotrilho, em elevado, interligando os municípios de Salvador e Lauro de Freitas, preservando o canteiro central da Paralela.

Metropasse – sistema BRT, superfície de Lauro de Freitas à estação da Calçada, integrando o metrô e os trens do subúrbio ferroviário.

ATP Engenharia – metrô de superfície de Lauro de Freitas ao Acesso Norte, em Salvador.

Ivepar Investimentos – proposta composta por um metrô de superfície, interligando os municípios de Lauro de Freitas e Salvador.

Salvador discute modelo de transporte de massa para a Copa

30/05/2011 - G1 BA, com informações da Tv Bahia 

Salvador precisa definir qual transporte de massa vai ser implantado. Quatro dos projetos falam em ampliação do metrô.

Salvador tem mais de dois milhões de habitantes e é a 3ª maior cidade do Brasil e é uma das sedes da Copa do Mundo de 2014. Mas a capital baiana ainda enfrenta problemas antigos, que deveriam estar solucionados. Um deles é o transporte público.

O metrô, apontado como a grande solução, nunca entrou em funcionamento e agora se discute um novo tipo de transporte de massa. Mas tudo ainda está indefinido. Duas siglas que estão na moda em Salvador, indicam uma discussão sobre o transporte de massa que deve ser implantado na capital.

Uma das siglas é VLT - veículo leve sobre trilhos. Um modelo como este, circula em vias exclusivas, usando trilhos e movido a energia elétrica. A outra é o BRT, em inglês, bus rapid trânsit ou trânsito rápido em ônibus. Esse é um tipo de transporte sobre rodas comuns e também deve usar uma via exclusiva. O combustível pode ser o óleo diesel ou biodiesel, além do gás natural. Quatro dos projetos falam em ampliação do metrô, aproveitando a estrutura que já existe e que propõe a criação do BRT

A discussão sobre o transporte alternativo de Salvador é muito antiga. No fim dos anos 80, trabalhadores executaram um projeto que iria colocar em circulação, um transporte igual ao VLT. Na época foi chamado de Bonde Moderno. Mas o bonde moderno não veio e acabou substituído por ônibus sanfonados, com capacidade para transportar mais que o dobro de passageiros de um ônibus comum. Estes ônibus sumiram alguns anos depois, porque a maioria das ruas e avenidas não suporta esse modelo de coletivo.

Da frota de ônibus sanfonados, sobrou apenas um que está rodando na linha Mussurunga-Barra. O ônibus foi fabricado há 14 anos, e faz o trajeto em cerca de três horas. Acompanhar uma dessas viagens, mostra o quanto é difícil e complicado para um carro desse tamanho rodar em algumas ruas de Salvador. E mesmo em uma avenida mais livre, a velocidade é menor por causa da estrutura.

Copa2014

No fim do mês termina o prazo para a análise das propostas que vão definir o modelo a ser implantado em Salvador. Quatro dos projetos falam em ampliação do metrô, aproveitando parte da estrutura já existe. Um outro projeto, propõe a criação de um monotrilho, que seria uma imitação menor do VLT. E outras duas empresas insistem na criação BRT.

O secretário do Planejamento do estado da Bahia Zezéu Ribeiro, disse que o governo tem que ver qual o sistema que vai gerar o melhor custo benefício e como é que isso se amortiza durante o tempo. Já para o superintendente do SETEPs, Horário Brasil, se não tiver uma infraestrutura adequada, não terá qualquer sistema de transporte que funcione, seja ele qual for.

Mas para quem é obrigado a usar o transporte coletivo, vale continuar imaginando o fim do sofrimento da longa espera nos pontos, principalmente nos horários de pico.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Movidos a gás natural

30/05/2011 - Fortalbus

As primeiras experiências com ônibus movidos a Gás natural surgiram ainda no começo da década de 1980, porém, ganhou impulso quando a Empresa Brasileira de Transportes Urbanos (EBTU) lançou em 1984, o primeiro ônibus com motor ciclo Otto adaptado para álcool hidratado e gás natural como combustível. O projeto fazia parte de um programa desenvolvido pela EBTU com o objetivo de reduzir o consumo de óleo diesel no setor de transportes coletivos e baratear as tarifas.

A cidade de Natal foi uma das pioneiras quando em 1984 realizou as primeiras experiências com estes veículos no nordeste, aproveitando as reservas de gás natural existentes na região de Guamaré, a 200 quilômetros da capital potiguar. Aracaju e Salvador iniciaram as experiências em 1985, no ano seguinte Recife também aderiu à experiência.

Ônibus movido a gás natural em Recife - 1991

Em Fortaleza, a implantação do gás natural foi definida em julho de 1988 através de um protocolo de intenções assinado pela Prefeitura de Fortaleza, Petrobrás e a Empresa Brasileira de Transportes Urbanos (EBTU). Foi definido que seriam testados inicialmente em veículos da Companhia de Transporte Coletivo (CTC), estendendo-se mais tarde aos ônibus das demais empresas da cidade que tivessem interesse em utilizar.

Em 1988, eram produzidos no Ceará, diariamente, 240 mil metros cúbicos de gás, dos quais 170 eram gastos no Distrito Industrial, deixando 70 para serem queimados, ou seja, o gás não aproveitado seria destinado ao transporte coletivo.

Os primeiros ônibus movidos a gás natural chegaram à Fortaleza apenas em 1992, seis unidades do modelo Mercedes-Benz Monobloco O-371 foram entregues a CTC, prefixos 113 a 118. Finalmente o programa da Petrobrás Distribuidora (BR), funcionaria na prática.

Inicialmente, os ônibus foram abastecidos a partir de um caminhão-tanque que trazia o gás de Natal, enquanto a Petrobrás concluía a construção de um posto no bairro de Antonio Bezerra. Os veículos foram escalados para as linhas Aguanambi 1 e 2, percurso com aproximadamente 13 km de extensão.

Monobloco na Avenida Beira Mar, em Fortaleza

O modelo O371 a gás natural, lançado em 1989, foi uma aposta tecnológica da Mercedes-Benz esperando que o mercado pudesse vir a evoluir no futuro. A consciência ambiental foi um elemento a mais de incentivo no aprimoramento destas tecnologias veiculares.

Primeiro posto de abastecimento GNV em Fortaleza


Abastecimento do GNV em posto da Petrobrás

Com a implantação tardia do gás natural em Fortaleza, o programa não foi ampliado, mantendo em circulação apenas os seis veículos da CTC, muito pouco comparado a cidades como Recife, Aracaju e Natal, que tiveram dezenas de ônibus incluídos na frota urbana.

Na época, além do chassi a gás natural ser 50% mais caro que os similares a diesel, as peças de reposição eram mais caras e sua vida útil mais curta. Por conveniência, os seis ônibus da CTC logo foram convertidos para óleo diesel, sendo desativados no inicio da década passada.

A experiência do gás natural em Fortaleza não foi muito diferente das demais cidades, onde o uso deste combustível em prol da consciência ecológica, não evoluiu para a inclusão significativa destes veículos na frota de ônibus urbano.

Prefeitura anuncia melhorias para o transporte em Aracaju

29/05/2011 - Plenário


Na próxima segunda-feira, dia 30, o prefeito Edvaldo Nogueira vai anunciar um novo pacote de medidas voltadas à melhoria do transporte público de Aracaju. O ato acontece às 10h no auditório da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT).

Nos últimos três anos, a Prefeitura de Aracaju investiu cerca de R$ 45 milhões na melhoria do transporte público. Entre as prioridades está a renovação da frota de ônibus, feita em parceria com os empresários do setor. Os 208 novos veículos, que representam quase 50% do total, têm elevador para cadeirantes, sistema de redução de poluentes e GPS.

sábado, 28 de maio de 2011

Intervenções do PMU vão melhorar o sistema de transporte de João Pessoa

28/05/2011 - PB Agora


Faixas exclusivas para ônibus para implantação do BRTs (Bus Rapid Transit), a mudança de circulação de algumas vias, a criação de rotas alternativas, a construção de um grande terminal, no Varadouro, além de terminais nos bairros, e de um viaduto sobre a BR 230, ligando o bairro do Geisel a avenida Dois de Fevereiro, no Cristo, são algumas das intervenções que deverão ser realizadas em João Pessoa, a partir da aprovação do projeto de Mobilidade Urbana proposto pela Prefeitura Municipal ao Governo Federal, que será viabilizado com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2).

Com estas intervenções que permitirão maior fluidez para os transportes coletivos, aliada aos avanços que o sistema de transporte implantou nos últimos dez anos, a exemplo da Bilhetagem Eletrônica, Integrações Temporais e Metropolitanas, aquisição de ônibus articulados e ampliação de ônibus acessíveis, renovação de mais de 60% da frota, o sistema de transporte da capital ficará ainda mais dinâmico e eficiente.

Ônibus na Integração Varadouro

O projeto de Mobilidade Urbana da Prefeitura foi apresentado na última terça-feira (23) pelo prefeito Luciano Agra e o superintendente da STTrans, Nilton Pereira, a representantes do Ministério das Cidades, em Brasília. "Essa apresentação é uma exigência do Governo Federal que deve ser cumprida pelos gestores de todas as capitais que pleiteiam serem contempladas com os recursos do PAC", lembra o superintendente da STTrans.

João Pessoa é uma das 24 cidades brasileiras que está disputando recursos do PAC 2 para realização de obras no seu sistema viário, com o objetivo de melhorar a mobilidade urbana e reduzir os congestionamentos. A decisão do Governo federal sobre os projetos aprovados só sai no final de agosto. Em declarações a Imprensa, o prefeito Luciano Agra disse que "está confiante que esses recursos serão disponibilizados e que eles possibilitarão uma verdadeira revolução dos transportes da capital". 

Postado por Fortalbus

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Aprovado projeto que retira ônibus da Barra em Salvador

22/05/2011 - A Tarde


Mais um projeto aprovado pela Câmara Municipal promete causar polêmica entre os soteropolitanos. Na última terça-feira, 17, foi decidido, em sessão ordinária, que apenas micro-ônibus teriam autorização para trafegar pelo bairro da Barra.

Os ônibus tradicionais sairiam da região, deixando o transporte coletivo por conta dos micro-ônibus. No entanto, para entrar em vigor, o projeto precisa ser sancionado pelo prefeito João Henrique. O projeto prevê ainda o uso da Avenida Centenário – que seria a área limite para a circulação dos ônibus tradicionais – como área de transbordo para passageiros que precisam se dirigir à Barra. Por lá, seria possível ter acesso aos pequenos veículos destinados ao bairro turístico, cenário de pontos como Farol da Barra e a praia do Porto da Barra.

Começam as obras de construção do Terminal Integrado Largo da Paz

22/05/2011 - Grande Recife


Quem passa pelo bairro de Afogados, nas proximidades da Estação do Metrô Largo da Paz, acompanha, desde fevereiro, as obras de construção do Terminal Integrado de Passageiros Largo da Paz. O empreendimento, orçado em R$ 3 milhões, faz parte do processo de expansão do Sistema Estrutural Integrado (SEI), uma das prioridades do Governo de Pernambuco.

O TI Largo da Paz, após sua conclusão, irá promover a interligação entre as linhas de ônibus que vêm das áreas Norte e Sul da Região Metropolitana do Recife. O terminal beneficiará cerca de 48 mil usuários nos dias úteis, operando, inicialmente, com duas linhas.

Serão realizadas 406 viagens/dia, utilizando uma frota de 47 veículos. O TI irá funcionar em uma área de 565,77 m². A previsão de conclusão da obra é de 12 meses.


A coordenadora de Planejamento do Grande Recife Consórcio de Transporte, Ivana Vanderlei, ressaltou a importância da implantação do novo terminal. "O equipamentopermitirá a integração entre os corredores do metrô da linha Sul com o metrô da linha Centro, por meio das linhas de ônibus. Além disso, também será efetuada toda a requalificação das paradas que estão localizadas no entorno do novo TI", afirma.

Prazeres

Além do início da obras do TI Largo da Paz, o Governo do Estado também lançou, em fevereiro, o edital de licitação do Terminal Integrado de Prazeres, que será construído em Jaboatão dos Guararapes. A obra está orçada em R$ 3,8 milhões e o terreno onde será construído o TI tem 4.080,11 m². Para este terminal, o Grande Recife prevê a implantação de seis linhas de ônibus, com o transporte de 51 mil passageiros nos dias úteis.

Até 2012, o Sistema Estrutural Integrado (implantado em 1992 e que tem como principal característica a integração inter-terminais, com a possibilidade de circulação pela RMR com o pagamento de apenas uma tarifa por sentido), ganhará dez novos terminais, totalizando 23 equipamentos deste tipo. O investimento previsto para a conclusão do SEI é de aproximadamente R$ 44 milhões.
Com informações: Grande Recife

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Frota de João Pessoa passará por padronização

18/05/2011 - Fortalbus

O sistema de transporte de João Pessoa passará por mudanças nos próximos dias. As seis empresas operadoras na cidade (Transnacional, Santa Maria, Marcos da Silva, São Jorge, Reunidas e Mandacaruense) vão operar em dois consórcios: a Unitrans e Nossa Senhora da Conceição.

O consórcio Unitrans será composta pelas empresas Transnacional e Reunidas, ambas do Grupo A. Cândido. Já a Nossa Senhora da Conceição será formada pela Santa Maria, Marcos da Silva, São Jorge e Mandacaruense. Além disso, os consórcios terão pinturas padronizadas. 

Veículo da Transnacional, integrante do Consórcio Unitrans (juntamente com a Reunidas)

As linhas opcionais 101 - Grotão, 202 - Ernesto Geisel, 301 - Mangabeira , 500 - Tambaú/Mag Shopping, 600 - Bessa/Shopping e 5603 - Mangabeira VII também terão mudanças. Deixarão de oferecer o serviço atual, com veículos climatizados, para atuarem como convencionais no consórcio Unitrans.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Novo corredor de transporte urbano será construído em São Luís

16.05.2011 - NE10

Para solucionar os problemas com o trânsito em São Luís (MA), será necessário um investimento de R$ 807 milhões para a construção do “Novo Corredor de Transporte Urbano”. De acordo com a prefeitura, serão abertos cerca de 12,3 quilômetros de vias, que serão adicionadas ao sistema viário atual.

Segundo a secretária Maria do Amparo Melo, o projeto prevê a construção de corredor viário a partir do São Francisco passando pelos bairros do Jarcaty, Ipase e seguindo pelo entorno do Rio Anil, Cohab, Olho D’Água até chegar à Litorânea. A proposta recebeu sinalização dos representantes do Ministério das Cidades (MCidades) para inclusão nas obras do PAC Mobilidade para Grandes Cidades.

O projeto foi apresentado pelo prefeito João Castelo (PSDB) na última sexta-feira (13) em Brasília após solicitação do secretário nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana do Ministério, Carlos Bueno. O prefeito entregou pessoalmente os documentos requeridos à Luiza Gomide Vianna, diretora de mobilidade urbana do MCidades. As informações são do jornal O Imparcial.

Os membros da pasta consideraram a proposta acima da média das outras 14 que foram apresentadas e com isso, a prefeitura será chamada para outras reuniões com órgãos federais para discutir detalhes da obra que envolve as secretarias municipais de Planejamento, Meio Ambiente, Urbanismo e Trânsito e Transportes. Os financiamentos devem ser autorizados em agosto, mas o processo de licitação poderá ser iniciado antes disso.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Segunda etapa do Transfor inclui a criação de corredores de ônibus

16/05/2011 - O Povo

Os investimentos em faixas exclusivas para ônibus em Fortaleza só foram retomadas há três anos, com o início da primeira etapa as obras do Programa de Transporte Urbano de Fortaleza (Transfor). O objetivo da obra é o alargamento e a restauração de vias, ampliação de terminais e a implantação do corredor Antônio Bezzera - Papicu


Daniel Lustosa, coordenador do Transfor, afirma que a primeira etapa estará concluída até o fim de 2012. Já a segunda etapa do Transfor inclui a criação de corredores de ônibus ligando os terminais do Siqueira e Conjunto Ceará ao Centro. A licitação será iniciada no fim deste semestre e o início das obras está previsto para o início de 2012. A conclusão será em 2013, antes da Copa do Mundo de 2014.


Com as obras prontas, serão 45 quilômetros de corredores exclusivos para transporte coletivo, que serão gerenciados pela Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor). Além disso, a AMC está com o projeto de mudança das avenidas Santos Dumont e Dom Luiz concluído. Elas terão sentido único, o que possibilitará a construção de corredores de ônibus. A AMC ainda não tem o prazo para o início das intervenções, pois aguarda a definição do projeto de reforma da Via Expressa, que ganhará viadutos e tunéis para maior agilidade.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Ministério das Cidades analisa projetos para o PAC Mobilidade

12/05/2011 - 45 Graus 

A implantação do PAC Mobilidade Urbana no Piauí passará por mais uma etapa na próxima semana. Na sexta-feira (20), técnicos do Governo do Piauí e da Prefeitura de Teresina farão uma apresentação detalhada de seus respectivos projetos no Ministério das Cidades, em Brasília.

A segunda etapa do programa de Aceleração do Crescimento destinará R$ 280 milhões para a melhoria da infraestrutura de transporte público coletivo em Teresina. O projeto do Governo prevê o investimento de R$ 130 milhões para melhorar e ampliar os serviços metroviários oferecidos ao usuário piauiense.

De acordo com o coordenador estadual do PAC, Mirocles Veras, o metrô de Teresina terá uma mudança radical. “O projeto enviado ao Ministério das Cidades contempla reformas nas estações de passageiros e a expansão da linha férrea, que chegará até o Terminal Rodoviário. Assim, a malha passará a ter quase 17 quilômetros”, afirmou.

Na reunião com técnicos no Ministério da Cidade será feita uma defesa das propostas tanto do Governo como da Prefeitura de Teresina. Na ocasião, o Ministério pode aceitar o projeto ou propor alterações. Se o projeto for aprovado, a expectativa é que em 2012 sua execução seja iniciada.

“Esse encontro será o momento de aprofundar as discussões a respeito desse projeto, que ainda não é definitivo. A equipe da Companhia Metropolitana e a Coordenadoria do PAC estão se preparando para que esse debate resulte nas melhores ações para a sociedade piauiense”, disse o assessor do PAC no Piauí, Cézar Fortes.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Prefeitura assegura orçamento para obras de mobilidade da Copa 2014

03/05/2011 - Tribuna do Norte

O orçamento necessário para efetivação da contrapartida financeira para o início das obras de mobilidade urbana da Copa de 2014 foi assegurado pela Prefeitura do Natal. O orçamento foi levantado através do contingenciamento de R$ 23 milhões remanejados de diversas ações previstas, cujo corte também seguiu objetivo da economia e do equilíbrio das finanças do município, para a Secretaria Municipal de Obras Públicas e Infraestrutura (Semopi). O remanejamento foi publicado no Diário Oficial do Município (DOM) e agora está somado aos R$ 7 milhões que já estavam previstos no orçamento. Ao todo, a Prefeitura terá R$ 30 milhões para contrapartidas.

Agora, a prefeitura buscará a efetivação da contrapartida financeira para que o Governo Federal, através do PAC I da Mobilidade Urbana, comece a liberar parte dos recursos que no final somarão R$ 338 milhões. A expectativa do Município é de que o primeiro lote de obras seja iniciado no próximo mês de julho, quando os primeiros canteiros de construção já deverão ser montados nas avenidas. Estas obras serão executadas pela empreiteira EIT, que venceu a concorrência pública aberta pela Semopi em novembro do ano passado.

Cinco grandes intervenções da estão previstas nesse primeiro lote. Entre elas, a implantação do “Trecho Extenso”, que compreende um corredor estrutural Oeste (BR 226), em Igapó; o complexo viário da Urbana, entre o Bairro Nordeste e as Quintas; e a reestruturação geométrica da avenida Mor Gouveia até a rua São José, em Lagoa Nova. Esta etapa contempla ainda a implantação de plataformas de embarque e desembarque e as obras de melhorias de passeios públicos (calçadas acessíveis) e sinalização.

Ao todo, as obras de mobilidade urbana para a Copa de 2014 têm 11 diferentes intervenções, representando um investimento total de R$ 338 milhões.