sexta-feira, 10 de junho de 2016

TI Joana Bezerra aumenta em 665% receita da estação de metrô

Cerca de três mil pessoas entravam no antigo terminal sem pagar passagem

10/06/2016 - Jornal do Commercio Online
    
Novo terminal foi inaugurado no domingo e aprovado pelos usuários / Sérgio Bernardo/JC Imagem
Novo terminal foi inaugurado no domingo e aprovado pelos usuários / Sérgio Bernardo/JC Imagem
Sérgio Bernardo/JC Imagem
Margarette Andrea

A entrada em operação do novo Terminal Integrado Joana Bezerra, no último domingo (5), repercutiu diretamente na receita do metrô. Conforme informação da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) no Recife, a arrecadação nas bilheterias locais passou de uma média de R$ 680 ao dia para R$ 5,2 mil, um crescimento de 665%. Isso porque cerca de 3 mil pessoas que entravam sem pagar, pelos portões do terminal, agora não encontram mais essa opção.

Passageiros com muitas dúvidas no primeiro dia útil do TI Joana Bezerra

“Não é só uma questão financeira, há também o aspecto de moralização do sistema”, salienta o superintendente da CBTU Recife, Leonardo Vilar Beltrão. Segundo ele, esta era a única integração que apresentava visível evasão de receita e não se conseguia combater, pela sua própria característica física, de fácil acesso. Quem antes entrava no terminal andando hoje opta pelo metrô, porque a passagem é mais barata – R$ 1,60 contra R$ 2,80 dos ônibus. Vale salientar que há dez linhas na área externa ainda não integradas.

O diretor de operações do Grande Recife Consórcio de Transportes (GRCTM), André Melibeu, admite que o resultado “era extremamente previsível”. “Chegamos a trabalhar com seis vigilantes, mas não conseguíamos combater a evasão”, diz. “Agora temos uma estrutura totalmente diferente e trabalhamos com sete vigilantes e três porteiros por turno, além de os portões serem fechados. Acreditamos que vamos conseguir manter essa situação.”

O Terminal Integrado Joana Bezerra levou cerca de quatro anos em construção e custou R$ 11 milhões. A operação é a mesma do antigo: dez linhas que circulam com 115 veículos e realizam 1.198 viagens ao dia. Mas a estrutura é bem diferente. Em vez de uma calçada repleta de paradas (ainda a serem demolidas), tudo bastante degrado, o novo equipamento tem uma área de 4 mil metros quadrados, com 12 plataformas de embarque (8) e desembarque (4), lanchonete, boxes, banheiros acessíveis, central de atendimento ao cliente e piso tátil – para orientação de pessoas com deficiência visual.

O GRCTM ainda não avaliou se houve aumento de usuários, mas são mais de 48 mil ao dia. Como a estrutura é em forma de U, muita gente se arrisca atravessando em meio aos ônibus para chegar ao outro lado, em vez de seguir pela base. Por isso, uma grade está sendo colocada no canteiro central.

“Ficou muito melhor aqui, mais organizado, inclusive nas filas. Mas na segunda-feira me deram um empurrão e levei uma queda danada”, observa a doméstica Lindaci Maria da Silva, 53 anos. Já a gastrônoma Vânia Lourenço, 33, diz que o respeito às filas só durou dois dias. “Já estão invadindo tudo”, conta. A ambulante Tatiana Nascimento, 34, diz ter melhorado até para eles, “por ter mais espaço” do lado de fora.

Além da passagem comprada diretamente em suas bilheterias, o metrô recebe cerca de R$ 2 milhões por mês de usuários que passam seus bilhetes eletrônicos (VEM) nas catracas. Neste caso, os recursos vão para a conta do GRCTM e só depois retornam. O repasse vem sendo feito, mas há uma pendência de R$ 50,1 milhões dos anos de 2014 e 2015, já solicitadas ao governador Paulo Câmara pelo ministro Bruno Araújo, em sua visita no domingo.

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Estação de BRT do Derby funciona pela metade

09/06/2016  - Diário de Pernambuco

Mesmo concluída em sua estrutura física, uma das plataformas da Estação de BRT do Derby, que integra o Corredor Leste Oeste, não tem funcionalidade para a população, além de servir como abrigo. O módulo que fica mais próximo da Avenida Agamenon Magalhães serve apenas de passagem para quem quer acessar o segundo módulo, onde concentra todo o entra-e-sai dos passageiros do Sistema Via Livre, oriundos do corredor da Avenida Caxangá ou dos que vêm pela Avenida Conde da Boa Vista. A população reclama porque, sobretudo nos horários de pico, a segunda plataforma fica sobrecarregada com o embarque e desembarque das três linhas que estão operando atualmente no Leste Oeste.

“Essa parada fica muito cheia e o calor é insuportável, sobretudo à noite, porque a primeira estação só serve de passagem. Eu acho que, enquanto o corredor não fica todo pronto, pelo menos poderiam distribuir as linhas nas duas plataformas, ou deixar uma para embarque e outra para desembarque”, desabafa a estudante Emily Karen, 19 anos, que utiliza diariamente o sistema.

O Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano afirmou, contudo, que não há a possibilidade de uso da primeira plataforma da Estação de BRT do Derby, até que o Corredor Leste/Oeste passe a operar em sua totalidade. Enquanto isso, o módulo mais próximo da Avenida Agamenon Magalhães servirá apenas de entrada e de passagem para os usuários do sistema no Derby. “Mais quatro linhas ainda faltam operar no Corredor Leste Oeste. Elas dependem da inauguração de dois terminais de ônibus, o da 3ª e o da 4ª Perimetral. Quando acontecer a inauguração, essas linhas passarão a integrar o corredor. E o embarque e o desembarque das sete linhas serão distribuídos nos dois módulos da Estação de BRT do Derby”, justificou o Consórcio. 

Atualmente, operam três linhas no Corredor Leste/Oeste. Apenas duas estações de BRT do Leste/Oeste possuem duas plataformas: as estações do Derby e Guararapes. O Grande Recife Consórcio explicou ainda que, no planejamento do projeto foi observado que essas duas estações receberiam a maior demanda de embarque/desembarque de passageiros. A Estação da Guararapes, contudo, está com as duas plataformas em funcionamento, mesmo operando com as mesmas três linhas que embarcam e desembarcam no Derby. 

O engenheiro e coordenador regional da Associação Nacional do Transporte Público (ANTP), César Cavalcanti, coloca que a operacionalização parcial do Via Livre e a falta de planejamento não permitem que a população seja capaz de fazer uma avaliação mais real do que é o sistema. Segundo ele, enquanto projeto estiver incompleto e sem soluções alternativas, o BRT em Pernambuco continuará com sua imagem desgastada, porque não conseguiu se tornar um sistema eficiente para os passageiros. “É uma pena porque o BRT poderia ser uma prova, um testemunho de que no estado é possível ter um sistema de transporte público eficiente e de qualidade”, lamenta César Cavalcanti.

Segundo o secretário executivo de Mobilidade da Secretaria das Cidades, Leonardo Cabral, a empresa Poli Consult, contratada em outubro do ano passado, ainda não finalizou o levantamento  dos serviços remascentes para a conclusão do Corredor Leste/Oeste. “Ainda não temos previsão de quando o sistema irá operar 100%”, revelou. 

quinta-feira, 2 de junho de 2016

TI Cosme e Damião abre para linhas convencionais de ônibus no sábado

02/06/2016 - G1 PE

Unidade, na Zona Oeste do Recife, só era usado em dias de jogos na Arena.

Com inauguração oficial, terminal beneficiará cerca de 7 mil usuários por dia.

O terminal de ônibus da Estação Cosme e Damião, onde os circulares trazendo os torcedores da Arena Pernambuco descem, ficou sem energia durante 18 minutos, entre 20h28 e 20h46. (Foto: Luna Markman/G1)
O terminal de ônibus da Estação Cosme e Damião, onde os circulares trazendo os torcedores da Arena Pernambuco descem, ficou sem energia durante 18 minutos, entre 20h28 e 20h46. (Foto: Luna Markman/G1)

Quase dois anos depois de abrir as portas apenas em dias de jogos de futebol na Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata, no Grande Recife, o Terminal Integrado (TI) Cosme e Damião, na Várzea, Zona Oeste da capital pernambucana, finalmente, vai começar a operar com linhas convencionais de ônibus. O TI, localizado  ao lado da estação de metrô de mesmo nome, funcionará regularmente a partir da manhã de sábado (4).

O equipamento conta com uma área construída de 4.162 metros quadrados. O TI  beneficiará cerca de 7 mil usuários por dia, que terão ligação com outros municípios da RMR, por meio da linha interterminal.

Por causa do início das operações do TI Cosme e Damião, haverá alterações na circulação de coletivos. A  linha 2489 – Bairro dos Estados/TI Caxangá deixará de operar e será substituída pela linha circular 2456 – TI Cosme e Damião (Circular). Ela  atenderá moradores das comunidades de Viana e Santo Antônio.

Outra mudança acontecerá com a 2459 – Loteamento Santos Cosme e Damião, que passará a se chamar 2459 – TI Cosme e Damião/TI Caxangá. Ela terá dois itinerários, um pela Avenida Belmino Correia, em Camaragibe, e o outro atendendo o Bairro dos Estados.

Ao todo, 10 veículos vão realizar 127 viagens por dia com um intervalo de 10 a 25 nos horários de pico. As duas linhas do Terminal irão operar com anel A (R$2,80).

Para possibilitar maiores deslocamentos aos usuários, a linha 2456 - TI Cosme e Damião (Circular) fará integração temporal com a estação de metrô de Camaragibe, deste modo, também podendo ter acesso ao Terminal Integrado de Camaragibe.

Os passageiros da linha 2459 – TI Cosme e Damião/TI Caxangá poderão migrar diretamente para as linhas do Via Livre BRT Leste/Oeste por meio da integração temporal com as estações Areinha, Barreiras e Padre Cícero.

Ou seja, os usuários que possuem o Vale Eletrônico Metropolitano (VEM) Estudante, Trabalhador, Comum e Livre Acesso terão até duas horas, após ter embarcado na sua linha de origem, para validar novamente o VEM sem pagar uma nova passagem.

Com a inauguração deste terminal, o Sistema Estrutural Integrado passa a contar com um total de 22 TIs em operação, são eles: Aeroporto, Afogados, Barro, Cabo, Cajueiro Seco, Camaragibe, Cavaleiro, Caxangá, Igarassu, Jaboatão, Joana Bezerra, Macaxeira, PE-15, Pelópidas Silveira, Recife, Tancredo Neves, TIP, Xambá, Largo da Paz, Prazeres, Santa Luzia e Cosme e Damião.

O estado investiu 20 milhões na construção do TI Cosme e Damião. Ele oferece uma estrutura funcional, incluindo os requisitos relacionados à acessibilidade para usuários com mobilidade reduzida.

O terminal também está equipado com lanchonete, banheiros acessíveis, Central de Atendimento ao Cliente, rampas de acesso, escadas fixa e rolante, elevador, piso tátil (que facilita a orientação de pessoas com deficiência visual e visibilidade reduzida), e mecanismos antiderrapantes, para evitar quedas e escorregões.