domingo, 12 de fevereiro de 2017

Desativado há dois anos terminal de ônibus é demolido na Praça da Faculdade

11/02/2017 - Tribuna Hoje

Prefeitura deve construir espaço de convívio urbano para os moradores da região

Segundo a Prefeitura, local estava sendo usado por moradores de rua
Segundo a Prefeitura, local estava sendo usado por moradores de rua
Marcos Kromos / 7 Segundos

Desativado há dois anos, o terminal da Praça da Faculdade, no bairro do Trapiche em Maceió, começou a ser demolido na manhã deste sábado pela Prefeitura de Maceió.

A demolição do terminal foi realizada de forma integrada pela Prefeitura de Maceió, por intermédio da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Urbanização (Seminfra) e das superintendências municipais de Controle e Convívio Urbano (SMCCU) e de Transporte e Trânsito (SMTT).

Segundo a SMTT, o terminal estava desativado há dois anos, sem uso algum pelos coletivos urbanos da capital. E que estava sendo usado por moradores de rua e que apenas ônibus intermunicipais passavam por lá, da Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Alagoas (Arsal).

A demolição foi feita por um trator e com a ajuda de um caminhão caçamba para o recolhimento do material derrubado.

A área foi isolada com fitas refletivas e o trânsito no entorno do terminal de ônibus foi monitorado pela Diretoria de Operações de Trânsito da SMTT (Dotran).

NOTA

Assessoria de comunicação da SMTT  informou que  desde a semana passada a Prefeitura de Maceió comunicou os comerciantes e moradores da região sobre a demolição e pediu a saída dos moradores de rua, que frequentavam o local.

Com a demolição do terminal de ônibus da Praça da Faculdade, a Prefeitura de Maceió está estudando um projeto para construir no local um ambiente de convívio urbano e social para os moradores da região, no bairro Trapiche.

BRT terá duas paradas para desembarque na Av. Conde da Boa Vista

Medida é para amenizar críticas à integração temporal e só funciona das 5h às 9h

11/02/2017 - Jornal do Comércio

Quatro linhas da Avenida Caxangá deixam de circular no Centro do Recife e passam a fazer integração temporal / Hélia Scheppa/JC Imagem
Quatro linhas da Avenida Caxangá deixam de circular no Centro do Recife e passam a fazer integração temporal - Hélia Scheppa/JC Imagem

As linhas 2416 – Roda de Fogo, 2421 – Torrões, 2422 – Monsenhor Fabrício e 2425 – Barbalho (Detran) deixam de circul
ar no Centro do Recife, a partir de hoje, e passam a fazer integração temporal na Avenida Caxangá, na Zona Oeste, com o corredor de BRT Leste/Oeste e com linhas convencionais. Nesta segunda fase de mudanças (a primeira ocorreu no dia 4 com outras quatro linhas), o governo vem com paliativos para minimizar a forte crítica dos usuários para chegar à Avenida Conde da Boa Vista, pelo fato de nenhuma estação de BRT funcionar. 

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Corredor de BRT Norte-Sul ganhará nova estação em Paulista

02/02/2017 - Jornal do Comércio

Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Foto: Diego Nigro/JC Imagem


Depois de ter retomado a conclusão do Corredor de BRT Leste-Oeste,  com a volta das obras da estação Derby-Benfica, no Recife, no último dia 23 de janeiro, a Secretaria das Cidades de Pernambuco deu início nesta quinta-feira (2/02)  à construção de mais uma estação do Corredor de BRT Norte-Sul. A nova estação fica próxima à Faculdade Joaquim Nabuco e ao Shopping North Way, no município do Paulista.

A estação não estava prevista no projeto original do Norte-Sul, mas o governo decidiu construí-la para atender à demanda da comunidade e aos pedidos da Prefeitura do Paulista. Técnicos do Grande Recife Consórcio de Transportes fizeram análises e confirmaram a viabilidade da obra.

A nova estação deverá ficar pronta em seis meses. O valor do investimento é de 2,5 milhões. A unidade seguirá o mesmo padrão das demais do Sistema BRT, sendo refrigeradas e com vidros temperados. A expectativa é de que receba uma demanda de 3.100 pessoas por dia. O Corredor BRT Norte-Sul opera com 26 estações e tem mais uma em construção (Centro de Convenções), atendendo 66.400 passageiros por dia.

Foto: Divulgação

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Oito linhas sofrem alterações e usuários terão que fazer integração nas estações de BRT da Av. Caxangá

Quatro das oito linhas sofrerão as alterações no próximo sábado (4)

01/02/2017 - Jornal do Comércio


As mudanças foram anunciadas na manhã desta quarta-feira, na sede do Grande Recife / JC Imagem
As mudanças foram anunciadas na manhã desta quarta-feira, na sede do Grande Recife / JC Imagem

*Com informações dos repórteres Rafael Carneiro, da Rádio Jornal, e Roberta Soares, do Jornal do Commercio

Oito linhas que circulam na Avenida Caxangá, na Zona Oeste do Recife, terão suas operações alteradas para integrarem com o Sistema Estrutural Integrado (SEI). Com isto, os passageiros destas linhas que estiverem indo para o Centro do Recife terão que desembarcar na Avenida Caxangá e, em no máximo duas horas, entrar em uma estação de BRT do Corredor Leste-Oeste. A mudança foi anunciada na manhã desta quarta-feira (1º), em coletiva de imprensa, na sede do Grande Recife Consórcio de Transporte, no bairro de Santo Antônio, área Central do Recife.

As alterações, que só valem para quem utilizar o Vale Eletrônico Metropolitano (VEM), entram em vigor no próximo sábado (4), para as linhas 413 - Avenida do Forte, 415 - Sítio das Palmeiras, 423 - Engenho do Meio e 433 - Brasilit. Os passageiros terão duas horas para fazer a integração temporal, contadas a partir do momento em que o usuário embarcar em uma das quatro linhas. Para as linhas 416 - Roda de Fogo, 421 - Torrões, 422 - Monsenhor Fabrício e 425 - Barbalho (Detran), a mudança passará a valer no sábado (11). 

Para atender à demanda dos passageiros que seguem da Caxangá em direção ao Centro do Recife, foram criadas três linhas, sendo uma convencional. São elas: 2439 - Avenida Caxangá (BR-101)/Centro, 2441 - Avenida Caxangá/Centro e 2443 - Avenida Caxangá/Derby, sendo as duas últimas de BRT. É importante lembrar que a integração temporal é válida em qualquer estação de BRT da Caxangá, mas tem como referência a BR-101, Caiara, Parque do Cordeiro e Getúlio Vargas.

Para Alfredo Bandeira, diretor de Planejamento do Grande Recife, a mudança trará benefícios para o trânsito e para o meio ambiente. "Estamos tirando 36 veículos da Avenida Conde da Boa Vista. Há um ganho de tempo, de trânsito para o meio ambiente. Esta alteração afeta 27 mil passageiros por dia", explicou. Segundo Grande Recife, a integração temporal na Caxangá irá retirar 40 coletivos do Centro do Recife e 36 da própria Caxangá.

Integração temporal

A integração temporal permite que o usuário utilize mais de uma linha pagando apenas uma passagem, no período de até duas horas. Atualmente, 64 linhas fazem parte do sistema na Região Metropolitana do Recife (RMR).  

Ligação entre os corredores Norte-Sul e Leste-Oeste

Passageiros do Corredor Leste-Oeste que desejarem integrar com o Corredor Norte-Sul podem fazer uso da linha de BRT 2441 - Avenida Caxangá (BR-101)/Centro e integrar através das estações Maurício de Nassau, Istmo do Recife e Forte do Brum, esta última, em frente à Prefeitura do Recife. Para se deslocar até as Avenidas Conde da Boa Vista e Guararapes, o usuário poderá fazer a integração temporal com a 2438 - TI Caxangá (Centro) ou com a linha 2439 - Avenida Caxangá (BR-101)/Centro, ambas convencionais.

Usuários que estejam na Praça do Derby e queiram ficar mais perto da Avenida Conde da Boa Vista podem fazer a integração temporal com as linhas 100 - Circular (Conde da Boa Vista/Prefeitura) e 101 - Circular (Conde da Boa Vista/Rua do Sol).

Uso do VEM

De acordo com o Grande Recife, dois mil cartões VEM foram entregues a líderes comunitários de Engenho do Meio, Brasilit, Sítio das Palmeiras, Cordeiro, Roda de Fogo, Torrões, Iputinga e Detran. Os cartões serão distribuídos gratuitamente à população. O usuário que ainda não tiver o VEM, quando embarcar em uma das oito linhas, poderá pegar com o cobrador um ticket que dará direito ao recebimento do cartão com o líder comunitário. Outra opção é adquirir o cartão VEM nas máquinas de autoatendimento das estações de BRT e na sede do VEM, na Rua da Soledade, no bairro da Boa Vista, no Centro do Recife.

Saiba mais detalhes sobre cada uma das linhas abaixo:

Dia 4:

413 – Avenida do Forte

A linha passa ser a 2413 – Avenida do Forte/EBRT Getúlio Vargas e terá parada próxima à estação de BRT Getúlio Vargas, na Rua Elizeu Cavalcante, no lado oposto ao número 513, e na Avenida General San Martin, próximo ao Hospital Getúlio Vargas.

415 – Sítio das Palmeiras

A linha passa ser a 2415 – Sítio das Palmeiras/EBRT Getúlio Vargas e terá parada próxima à estação de BRT Getúlio Vargas, na Rua Elizeu Cavalcante, no lado oposto ao número 513, e na Avenida General San Martin, próximo ao Hospital Getúlio Vargas.

423 – Engenho do Meio

A linha passa ser a 2423 – Engenho do Meio/EBRT Caiara e terá parada próxima à estação de BRT Caiara, na Avenida Caxangá, em frente à Igreja Assembleia de Deus.

433 – Brasilit

A linha passa ser a 2433 – Brasilit/EBRT BR-101 e terá parada próxima à estação de BRT BR-101, na Avenida Caxangá, junto ao viaduto da BR-101.

Dia 11:

416 – Roda de Fogo

A linha passa ser a 2416 – Roda de Fogo/EBRT Parque do Cordeiro e terá parada próxima à estação de BRT Parque do Cordeiro, na Avenida Caxangá.

421 – Torrões

A linha passa ser a chamar 2421 – Torrões/EBRT Parque do Cordeiro e terá parada próxima à estação de BRT Parque do Cordeiro, na Avenida Caxangá.

422 – Monsenhor Fabrício

A linha passa ser a 2422 – Monsenhor Fabrício/EBRT Caiara e terá parada próxima à estação de BRT Caiara, na Avenida Caxangá.

425 – Barbalho (Detran)

A linha passa ser a 2425 – Barbalho (Detran)/EBRT BR-101 e terá parada próxima à estação de BRT BR-101, na Avenida Luís de Lacerda. A linha continuará a atender a Avenida Maurício de Nassau em algumas das viagens.

Veja o itinerário das novas linhas:

2439 – Av. Caxangá (BR-101)/Centro – convencional

Terminal/ponto de retorno: Av. Historiador J. Emerenciano, R. Ministro João Alberto, Av. Caxangá, R. Benfica, Ponte Estácio Coimbra, R. Dr. Severino Pinheiro, Praça do Derby, Av. Gov. C. de Lima Cavalcanti, Av. Cde. da Boa Vista, Ponte Duarte Coelho, Avenida Guararapes, Av. Dantas Barreto, Av. N. Sra. do Carmo, Av. Martins de Barros, Rua 1º de Março, Av. Guararapes

Ponto de retorno/terminal: Av. Guararapes, Av. Cde. da Boa Vista, Av. Gov. C. de Lima Cavalcanti, Praça do Derby, Rua Dr. Severino Pinheiro, Ponte Estácio Coimbra, Rua Benfica, Avenida Caxangá, Avenida Luís de Lacerda, Av. Historiador J. Emerenciano.

2441 – Av. Caxangá (BR-101)/Centro – BRT

Terminal/ponto de retorno: Av. Historiador J. Emerenciano, R. Ministro João Alberto, Av. Caxangá, R. Benfica, Ponte Estácio Coimbra, R. Dr. Severino Pinheiro, Praça do Derby, Av. Gov. C. de Lima Cavalcanti, Av. Conde da Boa Vista, Ponte Duarte Coelho, Avenida Guararapes, Avenida Dantas Barreto, Avenida Nossa Senhora do Carmo, Avenida Martins de Barros, Rua 1º de Março, Av. Guararapes

Ponto de retorno/terminal: Av. Guararapes, Av. Conde da Boa Vista, Av. Gov. C. de L. Cavalcanti, Praça do Derby, Rua Dr. Severino Pinheiro, Ponte Estácio Coimbra, Rua Benfica, Avenida Caxangá, Avenida Luís de Lacerda, Av. Historiador J. Emerenciano.

2443 – Av. Caxangá (BR-101)/Derby – BRT

Terminal/ponto de retorno: Av. Historiador J. Emerenciano, R. Ministro João Alberto, Av. Caxangá, R. Benfica, Ponte Estácio Coimbra, R. Dr. Severino Pinheiro, Praça do Derby

Ponto de retorno/terminal: Praça do Derby, Av. Gov. Agamenon Magalhães (pista local), Rua Amauri de Medeiros, Rua Jenner de Sousa, Rua Dr. Severino Pinheiro, Ponte Estácio Coimbra, Rua Benfica, Avenida Caxangá, Avenida Luís de Lacerda, Av. Historiador J. Emerenciano.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Ônibus climatizados no Recife para atrair usuários

30/01/2017  - Folha de Pernambuco


Ainda é distante do ideal, mas, aos poucos, ônibus com arcondicionado em linhas convencionais - não as opcionais - voltam a fazer parte da realidade do Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife (STPP/ RMR). A mais nova linha a contar com veículos do tipo é a 166-TI Cajueiro Seco (Rua do Sol), que tem tarifa A (R$ 3,20) e permite que os usuários integrem com outros coletivos até terminais como os do Cabo de Santo Agostinho e do Barro.

A novidade também qualifica ainda mais o serviço de transporte no corredor da avenida Marechal Mascarenhas de Morais, na Imbiribeira, Zona Sul do Recife, por onde outra linha - a 185-TI Cabo - também já circula, há cerca de dois anos, com veículos climatizados.

Na 166-TI Cajueiro Seco (Rua do Sol), cinco dos 11 ônibus da frota são refrigerados. Eles começaram a circular no início deste ano. A promessa da Vera Cruz, operadora da linha, é de que, em fevereiro, mais cinco veículos com o diferencial passarão a fazer o percurso. Já na 185-TI Cabo, operada pela São Judas Ta­­deu, 12 dos 18 ônibus têm ar- condicionado.

A tarifa, porém, é mais cara - R$ 4,40 (anel B). Na prática, as linhas podem acabar disputando o mesmo público na Estrada da Batalha e nas avenidas Mascarenhas de Morais e Sul, corredores comuns ao trajeto das duas.

Como em toda concorrência, melhor para os consumidores, nesse caso, os passageiros, que viram a oferta de ônibus climatizados aumentar na região. “Quando não passa [o ônibus com ar] de uma linha, passa o de outra. É um conforto, sem dúvida, em meio às decepções todas com o transporte”, afirma a vendedora Marília Natália, 27 anos.

Como nem toda a frota dessas linhas é climatizada, embarcar num veículo com o equipamento ainda é questão de sorte. “Se a tarifa é a mesma dos sem ar, melhor esperar e ir no ‘geladinho’”, avalia a auxiliar de serviços gerais Kátia Rodrigues, 43.

Conforto na crise

De acordo com o Grande Recife Consórcio de Transporte, gestor do sistema, apenas 32 ônibus convencionais de uma frota de 2,8 mil são climatizados. Esse número não inclui os veículos de linhas opcionais, que também têm ar condicionado, mas têm tarifa mais cara e oferecem um serviço diferenciado.

No início dos anos 2000, várias linhas já tiveram veículos que ofereciam esse conforto, mas, devido aos altos custos da operação, o serviço foi deixado de lado.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

TCU dá aval para obra, mas não há recurso para obra do BRT

17/11/2016 - O Povo - CE

Prometida para começar em 2014, a intervenção do Bus Rapid Transit (BRT) do trecho Senador Fernandes Távora/Expedicionários recebeu aval do Tribunal de Contas da União (TCU). A obra terá três etapas, indo do Terminal do Conjunto Ceará até a Praça Coração de Jesus, no Centro, mas não chegou a iniciar efetivamente, tanto por falta de recurso da União para a Prefeitura, quanto por apresentar o que o TCU considera “irregularidades graves”.

As intervenções podem ser retomadas em função de esclarecimentos prestados pela Secretaria Municipal da Infraestrutura (Seinf) ao TCU, referentes ao cálculo do dimensionamento do pavimento e estudos de viabilidade.

Nem todas as irregularidades foram sanadas e ministros do Tribunal pediram esclarecimentos, com resposta em 15 dias, da Seinf e seus gestores, da Tecnologia em Construções (Tecnocon) - responsável pela obra - e da Caixa Econômica Federal (CEF).

Segundo o Tribunal, ainda há irregularidades em relação ao projeto básico do trecho I, no que concerne à ausência de aprovação; estudos sobre melhor solução técnica e econômica dos materiais das camadas dos pavimentos; estudos sobre interferências; estudos de desapropriação; e levantamento de jazidas de solo e de brita da região. Além de suspeita de sobrepreço, restrição à competitividade da licitação; licitação e contratação do trecho sem aprovação prévia do projeto pela CEF; e início das obras sem Autorização de Início de Execução do Objeto (AIO).

“Quase tudo que o TCU levantou a gente explicou. Mas como o projeto é antigo, nem tudo estava disponível. Depois passamos todos os elementos ao TCU, mas, como ele tinha prazo para fazer a lista de obras com paralisação no Brasil, o TCU fez a publicação antes de terminar a análise dos elementos que enviamos. Mas, já com os primeiros esclarecimentos, eles já mudaram a classificação da obra de paralisação para continuidade”, explica Samuel Dias, titular da Seinf.

Hoje, com nova classificação, a Prefeitura já teria condição de iniciar obra. “Mas não há recurso da União. É bom que vamos esperar o relatório final do TCU e se tiver alguma diligência temos tempo para deixar o contrato redondo”. Sem recurso, o BRT somente será iniciado se a Prefeitura conseguir financiamento de contrapartida, orçado em cerca R$ 96,291 milhões.

Em resposta ao O POVO, o TCU informou que expediu pedidos de manifestação da Seinf, CEF e Tecnocon e aguarda as respostas. “Os prazos contam a partir da notificação. Após recebê-las, serão analisadas pelo tribunal e o relator se manifesta novamente”, informou em nota. A CEF disse que não foi notificada pelo tribunal. A Tecnocon não retornou até o fechamento desta edição.

Trecho I

No trecho I, houve apenas drenagem no valor de R$ 270.076,73. Ainda é necessária a obtenção da AIO do Ministério das Cidades/CEF. O projeto básico data de 2003 e sofreu alterações no trecho I, por meio de revisão de técnicos da CEF, em que 38,13% do valor total da etapa foi suprimido e 6,4% foi acrescido, alterando o valor do contrato de R$ 30.260.434,01 para R$ 20.672.448,82. 

Saiba mais

Trecho 1 do BRT Irá da avenida D do Conjunto Ceará ao Terminal da Lagoa, com extensão de 5,7 km e cujas obras já foram licitadas, mediante o Edital RDC Presencial 8/2015, e contratadas por regime de empreitada por preço unitário, pelo valor inicial de R$ 30.260.434,01, alterado, por meio do 1º Termo Aditivo, para R$ 20.672.448,82

Trecho 2 irá do Terminal da Lagoa até a avenida Expedicionários, com extensão de 4,8 km e previsão de investimentos de R$ 158,1 milhões (obras: R$ 79,7 milhões; projetos: R$ 2,9 milhões; gerenciamento: R$ 1,4 milhão; trabalho social: R$ 3,1 milhões para trabalho social; e desapropriações/ reassentamentos: R$ 71,0 milhões)

Trecho 3 irá da avenida Expedicionários, segue até a rua Barão do Rio Branco e Senador Pompeu, com extensão de 5,2 km e previsão de investimentos de aproximadamente R$ 19,9 milhões (obras: R$ 18,7 milhões; projeto: R$ 0,8 milhão; gerenciamento: R$ 0,4 milhão)

Para o projeto há previsão de repasse do Orçamento Geral da União (OGU) de R$ 100 milhões, e da aplicação, a título de contrapartida, de R$ 96,291 milhões, totalizando o valor do investimento em R$ 196,29 milhões. De acordo com a Carta Consulta aprovada pelo Ministério das Cidades, R$ 125,3 milhões serão destinados às obras, ao trabalho social, ao projeto e ao gerenciamento e R$ 71,0 milhões às desapropriações

Obras prioritárias da Prefeitura para os próximos 4 anos

Para os próximos quatro anos da gestão do prefeito reeleito, Roberto Cláudio (PDT), os projetos prioritários no âmbito da infraestrutura são aqueles com garantia de recurso por meio de financiamento nos órgãos nacionais ou internacionais. O que inclui os corredores de transporte (BRTs), drenagem e saneamento.

Até este ano, a Prefeitura afirma que executou cerca de R$ 200 milhões em obras de drenagem e saneamento. A partir do próximo ano, promete mais R$ 300 milhões. O montante está sendo captando junto a Corporação Andina de Fomento (CAF) e à Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD). As obras abrangerão principalmente as periferias (Regionais V e VI e um pouco da III IV).

“O projeto começou com a CAF e decidimos dividir, porque a AFD está com muito interesse de financiar projetos em Fortaleza. Fortaleza atrai muito financiamento de organismos internacionais, porque tem as contas em dia e capacidade de endividamento e tem muito o que fazer. Eles se interessam quando mostramos os tipos de projetos e o alcance”, diz Samuel Dias, secretário da Infraestrutura do Município.

Para o projeto de drenagem e saneamento, já houve aprovação do financiamento da CAF na Câmara de Vereadores. Agora, com o a AFD também vai entrar no processo, a Prefeitura precisa enviar à Câmara pedido de autorização do empréstimo.

”Semana passada a gente fez os trâmites na Secretaria de Assuntos Internacionais do Governo Federal para aprovação desse financiamento. Vamos inserir a AFD dentro da autorização. Autorizando,aí vem a etapa da secretaria do Tesouro Nacional”, diz. Como a União entra como garantidora do empréstimo,passa por autorização do Governo Federal.

Em relação aos BRTs, tem-se planejado o corredor Messejana/Centro, já em execução com as obras da avenida Aguanambi. Este orçado em R$ 250 milhões. Além do BRT da Augusto dos Anjos/José Bastos, com financiamento do BNDES já aprovado pelo banco e que ligará o bairro Siqueira ao Centro. Para este, estão previstos R$ 243 milhões. 

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Ônibus em Recife leva sete bicicletas ao mesmo tempo

12/10/2016 - Diário do Transporte

Adamo Bazani - Diário do Transporte

O consórcio Grande Recife de Transporte começou a testar em mais uma linha desde o último domingo, um ônibus especialmente adaptado que tem condições de transportar sete bicicletas ao mesmo tempo.

Trata-se do projeto Leva Bike. O veículo é da empresa Mobibrasil e faz a linha 2446 – UR-07 Terminal/ Ponto de Retorno.

Só é possível levar as bicicletas aos domingos. O passageiro com a bicicleta entra pela porta traseira desse ônibus, que é o único na linha, coloca o equipamento em um dos suportes na parte interna traseira do veículo, vai até o cobrador, faz o pagamento da passagem e roda a catraca. A linha atende vias importantes do centro de Recife.

As partidas deste ônibus ocorrem às 5h30, 07h, 09h20, 10h40, 12h20,14h, 15h40 e 19h45.

O valor da tarifa é a mesma cobrada dos demais passageiros. No mês de agosto, houve testes do Projeto Leva Bike na linha 2410 – Parque Capibaribe/TI TIP.

O trajeto da linha 2446 – UR-07 Terminal/ Ponto de Retorno é o seguinte:

erminal/ Ponto de Retorno:

Rua Serra Nova, Rua Roraima, Rua Tambiá, Rua Vale do Sirigi, Rua Diogo de Vasconcelos, Rua Gastão Vidigal, Avenida Joaquim Ribeiro, Ponte Marechal Humberto Castelo Branco, Avenida Caxangá, Praça Conselheiro João Alfredo, Rua Benfica, Praça Euclides da Cunha, Avenida Doutor Severino Pinheiro, Ponte Estácio Coimbra(Ponte do Derby) Praça do Derby( Pista Central), Avenida Governador de Lima Cavalcanti, Avenida Conde da Boa Vista, Ponte Duarte Coelho, Avenida Guararapes.

Ponto de Retorno/ Terminal:

Avenida Dantas Barreto( Pista  Oeste), Rua Siqueira Campos, Rua Cleto Campelo, Avenida Guararapes, Ponte Duarte Coelho, Avenida Conde da Boa Vista, Rua Dom Bosco, Rua Joaquim Nabuco,  Ponte da Capunga, Rua José Osório,  Rua Real da Torre,  Avenida Caxangá, Ponte Marechal Humberto Castelo Branco, Avenida Joaquim Ribeiro, Rua Gastão Vidigal, Rua Diogo de Vasconcelos, Rua Vale do Sirigi, Rua Tambía, Rua Roraima, Rua Serra Nova.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes